Justiça liberta Rosinha, com tornozeleira, mas mantém Garotinho preso

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) concedeu na tarde desta quarta-feira habeas corpus parcial para a ex-governadora Rosinha Garotinho. Ela vai deixar a cadeia José Frederico Marques, em Benfica, mas deverá usar tornozeleira eletrônica. Os desembargadores determinaram também o recolhimento noturno e a proibição de sair da cidade do Rio. A decisão atende pedido da Procuradoria Regional Eleitoral. O Tribunal negou, no entanto, o pedido de habeas corpus da defesa do ex-governador Anthony Garotinho.

A Polícia Civil realizou hoje uma perícia no sistema de segurança da cadeia, mais especificamente na cela B4, onde estava Garotinho. Após a perícia, o delegado Wellington Vieira disse que não acredita que as imagens das câmeras de segurança tenha sido editadas para não mostrar a suposta agressão ao ex-governador.

 

- Eu contei 12 portas desde a portaria até a cela onde ele estava. Inclusive presos que estão na cela oposta vão ser inquiridos para que a gente consiga saber deles se os presos sentiram ou ouviram alguma coisa estranha. A hipótese de edição é bem difícil, mas a resposta final será dos peritos - destacou o delegado.

 

Rosinha e Garotinho foram presos na semana passada. Eles são acusados de arrecadar recursos ilícitos para financiar campanhas eleitorais. Dois delatores apresentaram detalhes do esquema aos investigadores da Polícia Federal e do Ministério Público Eleitoral de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense: Ricardo Saud, executivo da JBS, e André Luiz Rodrigues, sócio da empresa Ocean Link. JBS e Ocean Link firmaram um contrato de fachada em 2014, com o objetivo de repassar, via caixa dois, R$ 2,6 milhões para a campanha de Garotinho ao governo do estado.

Rodrigues também narrou ter feito doações irregulares a Garotinho, Rosinha e aliados em 2010, 2012 e 2016. Segundo o empresário, a prefeitura segurava, a mando do ex-governador, pagamentos que eram devidos às empresas e só liberava os recursos após a efetivação das contribuições por meio de caixa dois.

Em nota, a defesa afirmou que os ex-governadores Garotinho e Rosinha "estão sendo vítimas de injustiça". Os advogados informaram ainda que vão recorrer da manutenção da prisão de Garotinho e da imposição de medidas cautelares a Rosinha.

 

Agenda do Poder
Todos os direitos reservados - 2013