16/06/2019 06:04

MARICÁ GARANTE ENSINO SUPERIOR AO MORADOR DE BAIXA RENDA

imagem

No momento em que governo Bolsonaro desfere ataques ao ensino superior, com cortes de verbas para as universidades públicas e críticas ao modelo de formação das instituições, uma prefeitura do PT, a de Maricá, apresenta o mais ousado projeto público de fomento ao ensino universitário. O morador da cidade há mais de cinco anos, com renda inferior a seis salários mínimos, aprovado em instituições privadas de ensino superior, tem os custos de sua formação garantidos pela administração pública. Parte das bolsas é destinada aos estudantes com excelência nos resultados: os que obtiveram nota superior a 450 pontos, no Enem, sem zerar a redação.

No início deste ano, foram concedidas as primeiras 1241 bolsas. No iníco do segundo semestre, a prefeitura abrirá inscrições para mais duas mil vagas. E em novembro, mais duas mil, totalizando cinco mil alunos em cursos de formação superior, inteiramente financiados pelo poder público municipal. A medida, de acordo com educadores e cientistas sociais, vai se constituir num importante instrumento de ascensão social para os moradores da cidade
.
Para o pró-reitor do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), professor José Feres Abdo Miranda, o programa é mais que um acesso a um curso universitário. “É um passaporte para a vida, que muda a vida das pessoas e da cidade, uma luz no fim do túnel mesmo. Isso porque se trata de uma iniciativa de impacto inclusivo. Para nós é um grande orgulho participar”, garantiu o dirigente.

Para o prefeito Fabiano Horta, além de apostar na formação da juventude, a iniciativa tem o objetivo de atrair um polo universitário para Maricá. “Com a implantação desta política, as universidades passam a se estabelecer no município. Nós já temos este ganho visível, com a Faculdade de Maricá se vinculando à Faculdade de Vassouras e já se instalando na região com cursos presenciais ainda neste primeiro semestre”, disse o prefeito, acrescentando que outras instituições de ensino também já estão procurando imóveis.

“Ganhamos em justiça social, oportunizando acesso à universidade para as pessoas que mais precisam, e ganhamos na construção de um grande polo de conhecimento e fomentação de pensamento crítico, para que a juventude possa ter, na sua cidade, a oportunidade de fazer cursos superiores e desenvolver os seus saberes, revertendo isso, posteriormente, em ajuda e ganhos para a cidade”, afirmou.

Até o momento, cinco instituições de ensino superior já estão credenciadas no programa. São elas: Fundação Educacional Severino Sombra; S.E. Estácio de Sá; Associação Brasileira de Educadores Lassalistas – UniLassale; Fundação Educacional Serra dos Órgãos UniFeso; Campanha Nacional de Escolas de Comunidade – Cenecista

Todos os requisitos para fazer parte do programa Passaporte Universitário estão no Edital do Aluno, publicado na edição 931 desta segunda-feira (11/02) do Jornal Oficial do Município (JOM) e disponível no portal da prefeitura – www.marica.rj.gov.br.


Durante a solenidade de entrega das 1.241 bolsas de estudos para cursos de graduação aos estudantes do programa Passaporte Universitário, oferecidas pela Prefeitura de Maricá, as frases mais ouvidas entre as pessoas que lotaram o Colégio Cenecista Maricá, no Centro, eram “sonho realizado” e “oportunidade única”. Entre os contemplados, jovens acompanhados de pais orgulhosos, pais que por conta do programa vão estudar com os filhos e muitos que haviam adiado o projeto de uma universidade ainda na juventude por causa da família ou da falta de recursos e que, agora, poderão concretizá-lo.

“É uma felicidade enorme ver nossos filhos conquistando essa meta, principalmente para mim que não tive condições de estudar como ele”, revelou a professora Simone Silveira, de 45 anos, que mora em Ponta Grossa e estava com o filho Carlos Roberto Miranda, de 18 anos, enquanto aguardava o jovem pegar a documentação, que foi entregue a todos os contemplados por equipes da Secretaria de Educação. “Para mim foi muito bom, pois vou poder fazer o que sempre quis”, disse ele, que vai estudar Comunicação.

Outra nova estudante estava com o filho de 6 anos e contou que, mais que realizado, aquele era um sonho resgatado depois de 22 anos. “Eu tinha tentado uma vez o curso de veterinária mas não consegui, aí tive de trabalhar e depois tive meu filho. É maravilhoso o que a prefeitura está promovendo”, frisou a auxiliar de laboratório Daniele Garcia, de 41 anos, que mora no Parque Nanci.


'