22/08/2019 00:55

André Ceciliano e Rodrigo Amorin se juntam para a volta do Canecão

imagem

Um projeto dos deputados André Ceciliano (PT) e Rodrigo Amorin (PSL) abre caminho para a reabertura de uma casa de espetáculos onde funcionou o célebre Canecão. A proposta visa ao destombamento do local a fim de que a UFRJ, em parceria com o BNDEs, construa um novo teatro, de 1,5 mil lugares, que será explorado pela iniciativa privada, através de parcerias. O projeto está na pauta de votações da Alerj, na próxima terça-feira.

Na justificativa, os deputados lembraram a importância cultural do Canecão e as possibilidades de utilização do novo espaço em manifestações artísticas e culturais.
“A reabertura do “Ex Canecão” funda-se no reconhecimento e promoção da diversidade, abrindo as portas para todas as formas e manifestações artísticas e culturais do Rio de Janeiro. Considera-se, igualmente, a promoção de ações, eventos e espetáculos que sirvam de laboratórios para diversos cursos de graduação e pós graduação da UFRJ, com acesso a múltipas formas de música, arte e cultura.Contudo, tal iniciativa esbarra no tombamento aprovado por esta Casa através da Lei nº 3267, de 07 de outubro de 1999, que impede qualquer alteração a ser realizada no espaço. Assim, pedimos o apoio aos meus pares para aprovação da presente medida”.

Com capacidade para 1500 pessoas, o novo Canecão será um espaço multiuso para a promoção pública da música, da arte e da cultura, em suas mais variadas manifestações intra e extramuros da UFRJ. Mais que um lugar para ensino, pesquisa e extensão será um espaço cultural para a cidade do Rio de Janeiro.

A retomada do Canecão faz parte de um projeto inovador da UFRJ para geração de novas receitas dada a dificuldade orçamentária do momento.. A universidade possui terrenos, edificações e patrimônio cultural, artístico e paisagístico, mas não recursos suficientes para realizar investimentos em sua infraestrutura. A modelagem da iniciativa prevê a cessão de terrenos à exploração comercial (até 50 anos) tendo como contrapartida investimentos e manutenção estrutural em novas infraestruturas acadêmicas, entre elas a nova casa de espetáculo, a residência estudantil, equipamentos hospitalares na Praia Vermelha, salas de aula e edificações para a realização de pesquisas.
Serão disponibilizados até 400 mil m2 na Ilha do Fundão e até 55mil m² na Praia Vermelha. Findo o período de cessão, os espaços e suas edificações retornam à UFRJ que poderá licitá-los novamente. A UFRJ pretende que investimentos nestes espaços resultem em transformações positivas para a cidade do Rio de Janeiro.
Para sua consecução a UFRJ assinou contrato com o BNDES (que, por sua vez, contratou um consórcio liderado pelo Banco Fator) para promover avaliação econômica, modelagens de cessão, promoção do projeto junto ao mercado (nacional e internacional) e preparação da licitação (que deverá ser realizada pela UFRJ).

'