21/08/2019 23:50

Petrópolis vai receber investimentos de R$ 1 bilhão em 10 anos

imagem

Os investimentos públicos e privados nos próximos 10 anos em Petrópolis já superam a casa do R$ 1 bilhão. Entre pavimentação, recuperação de rodovia, habitação e estrutura física na Saúde são R$ 183 milhões que serão empregados pelo poder público, aportes do município e do governo federal. Pela iniciativa privada, só a construção civil, com 18 empreendimentos, terá aplicado R$ 900 milhões.

“O número de investimento já chega a R$ 1,1 bilhão, mas ele ainda vai ser maior considerando 10 anos porque até 2029 mais projetos serão executados”, afirma o prefeito Bernardo Rossi apontando que Petrópolis passa por uma fase de retomada do desenvolvimento “a partir da melhora do cenário nacional e também pela gestão responsável municipal que está saneando as contas públicas”.

Os R$ 57 milhões em investimentos previstos para Petrópolis em nota técnica da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan) divulgados no início do mês não perfazem o total de recursos que serão empregados na cidade. A previsão é engrossada ainda por investimentos já confirmados e que já iniciam execução. Em todo o Estado a Firjan levantou 111 projetos que alcançam R$ 162 bilhões.

A recuperação da Estrada União e Indústria, rodovia importante terá aporte de R$ 50 milhões do governo federal. Já novos projetos do Minha Casa Minha Vida, faixa 1, giram em torno de R$ 93 milhões, construções que já foram apresentadas à União e aguardam liberação.

“Na saúde temos ainda ampliação do Alcides Carneiro, em R$ 13 milhões, a UPA dos distritos e a UBS do Bingen, que somam R$ 3 milhões e ainda a reforma de todos os PSFs e UBSs já existentes, que serão mais R$ 6 milhões, além de compra de equipamentos. O total, na saúde, é de R$ 25 milhões, um dos maiores investimentos em mais de 10 anos”, considera o prefeito Bernardo Rossi.

O estudo da Firjan listou obras importantes como reforma de espaços histórico-culturais como Theatro Dom Pedro, Palácio de Cristal e Museu Casa de Santos Dumont, que somam R$ 4,2 milhões e ainda pavimentação e contenção de encostas (1º de Maio) que somam mais 4 milhões.

Obras elencadas no estudo como a recuperação da Posse e do Caxambu, devido às chuvas de 2018, elencadas no estudo da Firjan como investimentos para os próximos anos já foram concluídas. “Nestes dois locais fizemos 17 obras, todas já concluídas”, aponta o prefeito Bernardo Rossi.

Entre empreendimentos em análise, licenciados ou em construção, são 18 Minha Casa Minha Vida faixa 2 na cidade. A soma é de R$ 900 milhões e mais 5 mil unidades. “Pela primeira vez Petrópolis tem o MCMV faixa 1, que é o Vicenzo Rivetti, para desabrigados das chuvas, projeto do poder público, mas ter o faixa 2 nesta quantidade é fundamental para a política habitacional, para tirar pessoas das áreas de risco”, considera o prefeito Bernardo Rossi.

Obras abandonadas recuperadas somam R$ 68 milhões

Só em obras abandonadas e já recuperadas pela atual gestão, Petrópolis tem em investimentos R$ 68 milhões. “Este número não entra na soma de novos investimentos, mas é importante porque resgatamos obras estruturais como unidades de saúde. São obras fundamentais para a população. Elas não entram nesta soma de projetos futuros, mas a recuperação é significativa. A cidade não poderia ter canteiros de obras abandonados com a população necessitando de postos de saúde”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

Desde o início do governo, a prefeitura trabalha para a retomada de obras paralisadas e projetos que não foram à frente até 2016. A lista inclui a construção com conjunto habitacional do Vicenzo Rivetti, com 776 unidades, que estava com 5% em janeiro de 2017 e agora está próximo da conclusão, investimento de R$ 59 milhões.

A construção da UBS de Araras, investimento de R$ 1 milhão, foi finalizada e entregue pelo prefeito Bernardo Rossi para atender oito mil moradores. O mesmo está acontecendo com a UBS da Posse, investimento de R$ 1,2 milhão, que vai prestar assistência básica para 12 mil pessoas e está na fase de arremates para conclusão da obra. Também está sendo reiniciada a obra da UBS do Caxambu.

O PAC Estrada da Saudade também foi retomado, com a construção do CEI na comunidade Boa Vista. Outra obra retomada é a reforma da Escola Municipal Jandira Bordignon, no Quitandinha, onde serão revitalizadas 12 salas de aula, acessibilidade nos três andares e quadra poliesportiva.

O Centro de Iniciação ao Esporte (CIE) no Caxambu foi outra obra retomada pela prefeitura e foi entregue em março do ano passado. Outros dois equipamentos esportivos entram na lista: as quadras de Pedras Brancas e do Morin, que foram reformadas e ganharam cobertura e foram entregues em dezembro e janeiro, respectivamente.

Novos projetos somam R$ 1 bilhão



Recuperação da União e Indústria – R$ 50 milhões

Saúde – reforma de todos os PSFs e UBSs, aquisição de equipamentos e novas unidades (UPA Itaipava e UBS do Bingen) – R$ 12 milhões

Ampliação do HAC – R$ 13 milhões

Contenção de encosta (1º de Maio e Vital Brasil) – R$ 1,9 milhão

Reforma de quadras esportivas – R$ 2,8 milhões

Pavimentação – R$ 13 milhões

Lago de Nogueira e Jardim Botânico – R$ 930 mil

Theatro Dom Pedro – R$ 2,2 milhões

Casa de Santos Dumont – R$ 466 mil

Palácio de Cristal – R$ 1,43 milhão

Polo de capacitação rural – R$ 390 mil

MCMV faixa 1 – R$ 93 milhões

MCMV faixa 2 – R$ 900 milhões




'