26/05/2019 01:54

Crivella diz que Witzel está mal informado sobre sambódromo

imagem

O prefeito Marcelo Crivella afirmou na manhã desta segunda-feira que o governador está "mal-informado" sobre o processo para transferir a gestão da Marques de Sapucaí para o governo estadual. Na última semana, o governador anunciou a intenção de assumir a administração do espaço. Segundo Crivella, Witzel precisa pedir ao município, já que a estrutura pertence à cidade do Rio, disse o prefeito. Hoje, a Passarela do Samba está cedida ao município em regime de comodato. Ele ainda alfinetou e sugeriu que a administração estadual também retome o gestão de hospitais que foram municipalizados durante o período de grave crise econômica do estado.

— Witzel está mal-informado. Não é retomar o Sambódromo. Ele vai pedir porque o Sambódromo pertence ao município. Podemos conversar, claro. O maior benefício do carnaval vai para o estado. Movimenta R$ 3 bilhões. E esses recursos estão na venda de bebidas, nos hotéis, nos meios de comunicação. Esses setores recolhem impostos para o estado. Venda de cerveja não paga IPTU ou ISS, paga ICMS, que é do estado — disse o prefeito.

“Acho que o governador poderia assumir também o hospital Rocha Faria, o Pedro II, o Albert Schweitzer, que a prefeitura assumiu na época que o estado estava quebrado. Já que pode cuidar do carnaval, cuide também dessa parte da saúde”

Apesar do desejo da Prefeitura de diminuir os investimentos no Carnaval, só 56% do custo do evento vêm de patrocínios
Imagem da matéria

— Acho que o governador poderia assumir também o hospital Rocha Faria, o Pedro II, o Albert Schweitzer, que a prefeitura assumiu na época que o estado estava quebrado. Já que pode cuidar do carnaval, cuide também dessa parte da saúde, que cá pra nós é até mais importante do que o carnaval — disparou o prefeito.

O Albert Schweitzer, em Realengo, e Rocha Faria, em Campo Grande, foram municipalizados em janeiro de 2016, durante as gestões do prefeito Eduardo Paes e do governador Luiz Fernando Pezão. Já o Pedro II, passou para a gestão municipal durante o período de Sérgio Cabral. Na época, o então governador anunciou a medida como uma "parceria" para que o município se tornasse o responsável pelo serviço de emergência.

'