19/03/2019 19:43

Regis Fichtner é preso de novo na operação Lava Jato

imagem

Ex-secretário da Casa Civil durante o governo de Sérgio Cabral , Régis Fichtner foi preso, na manhã desta sexta-feira, em mais uma fase da operação Lava-Jato no Rio. O advogado estava em casa, na Barra da da Tijuca, na Zona Oeste da capital. Fernando França Martins, acusado de ser o operador do ex-secretário, também foi preso em sua residência, na Tijuca, na Zona Norte. Além dos dois mandados de prisão, os agentes visam a cumprir seis de busca e apreensão.

Esta é a segunda prisão de Fichtner — que entre 2006 e 2014 foi uma das pessoas mais importantes do quadro de secretários de Cabral. Em novembro de 2017, o ex-secretário e outras quatro pessoas foram detidas durante a Operação C’est fini ("É o fim", em francês). O advogado passou uma semana na cadeia e foi liberado graças a um habeas corpus.

O ex-secretário foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por corrupção passiva. De acordo com a acusação da força-tarefa da Operação Calicute, versão da Lava-Jato no Rio, Fichtner, no exercício do cargo, solicitou e aceitou vantagem indevida para dar ''especial atenção para os interesses privados de empresários do setor da saúde, prestação de serviços de alimentação e limpeza, transporte público e construção civil'.

Os procuradores estimam que Régis teria recebido um total de R$ 1,56 milhão em dinheiro do esquema, de 2007 a 2014. A denúncia foi remetida, na terça-feira, ao juiz federal Marcelo Bretas, da 7ᵃ Vara Federal Criminal do Rio.


Uma funcionária da Casa Civil foi intimada a prestar informações, segundo o MPF. Os procuradores informaram ainda que fatos novos que levaram à nova prisão prisão surgiram com informações fornecidas por colaboradores, que possibilitaram identificar “o homem da mala” de Fichtner, o coronel Fernando França Martins, responsável por recolher parte da propina recebida pelo ex-secretário, de acordo com o MPF.

'