17/02/2019 13:25

Chiquinho deixa presídio e passa para a prisão domiciliar

O deputado estadual Chiquinho da Mangueira deixou a unidade prisional de Bangu 8 às 15h desta quarta-feira, pouco mais de dois meses após ser preso na Operação Furna da Onça. Na segunda-feira, o Superior Tribunal de Justiça concedeu o benefício da prisão domiciliar ao parlamentar.

Na liminar concedida pelo presidente da Corte, ministro João Otavio Noronha, Francisco Manoel de Carvalho passa a cumprir prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. Chiquinho foi preso no dia 8 de novembro do ano passado junto com outros seis deputados estaduais na Furna da Onça.

A ação é um desdobramento da Operação Cadeia Velha, que levou à prisão dois ex-presidentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), os deputados Jorge Picciani e Paulo Melo, além de Edson Albertassi, todos do MDB.


Chiquinho da Mangueira foi reeleito em 2018 para mais uma legislatura. Ele é presidente da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira e acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter recebido R$ 3 milhões em propina, parte da verba teria sido usada para patrocinar o desfile da Mangueira, no carnaval de 2014.

Além dele, foram presos na operação o deputado André Correa (DEM), Marcos Abrahão (Avante), Marcelo Simão (PP), Luiz Martins (PDT) e Marcos Vinícius Neskau (PTB), todos reeleitos, além do deputado Coronel Jairo, que não foi reeleito para a próxima legislatura.

'