19/08/2019 05:05

Pedro Fernandes apóia Witzel mas PDT vai de Paes

imagem

Quinto colocado do primeiro turno da corrida ao governo do Rio, com 6,11% dos votos válidos (cerca de 466 mil votos), Pedro Fernandes (PDT) roubou a cena nesta segunda-feira. O deputado estadual acompanhou um corpo a corpo do candidato Wilson Witzel (PSC), na feira da Rua Aguiar, na Tijuca, Zona Norte da capital, e declarou apoio ao ex-juiz, que disputa com Eduardo Paes (DEM) o comando do Palácio Guanabara pelos próximos quatro anos.Já o PDT, seu partido, decidiu em sentido contrário: vai apoiar Eduardo Paes. Em nota, lançada minutos após Fernandes se manifestar, o partido justificou:


A Direção Estadual do PDT-RJ decide, em face aos compromissos assumidos abaixo, declarar apoio à candidatura de Eduardo Paes no segundo turno das eleições ao Governo do Estado do Rio.



Defesa da Democracia e das liberdades individuais;

Defesa da soberania nacional;

Respeito absoluto à diversidade;

Desenvolver em todo Estado do Rio programa de educação inspirado nos Cieps, levando escola pública, de qualidade e em tempo integral para todos os municípios fluminenses;

Não privatizar a Cedae;

Entendemos que o atual momento que vive o Estado do Rio exige, de todos nós, defensores incansáveis da democracia, um Governador com experiência comprovada em funções públicas, e, acima de tudo, que defenda as liberdades individuas e a democracia para que possamos, juntos, colocar o Estado no Rio nos trilhos do desenvolvimento novamente.



Fernandes negou que tenha acordado cargos em caso da eleição de Witzel e disse que, em janeiro, quando termina seu mandato de deputado, pretende embarcar para a França, para concluir seu doutorado em administração. O apoio a Witzel é individual e não reflete a posição do PDT, que decidiu apoiar Eduardo Paes





No último debate televisivo do primeiro turno, promovido pela TV Globo, Pedro Fernandes e Eduardo Paes se procuravam para perguntas. Na ocasião, o senador Romário (Podemos), quarto colocado do primeiro turno, disse que os dois tinham combinado a estratégia para blindar Paes e tinham tirado as oportunidades dos outros candidatos. O deputado nega:



— Eu procurava Paes porque ele era o primeiro colocado das pesquisas e boa parte do eleitorado entendia que ele era o candidato mais preparado para o cargo: eu queria mostrar que eu tinha me preparado melhor do que ele para esse processo eleitoral. E ele me procurava porque buscava alguém que não agredisse, como foi a minha postura durante toda a campanha — afirmou.



O candidato a governador pelo PSC tem declarado voto e pedido votos para Bolsonaro. Quando questionado sobre isso significava caminhar com o candidato do PSL, Fernandes tergiversou. O PDT, que teve Ciro Gomes como terceiro colocado do primeiro turno, com 12,47% dos votos válidos (cerca de 13,3 milhões de votos) declarou apoio crítico a Fernando Haddad:

'