14/07/2020 04:10

Cleiton assume o comando da tentativa de recomposição da base de Witzel

imagem

Ricardo Bruno

As mudanças no organograma do governo do estado visam a permitir agilidade e eficiência na tentativa de reconstrução da base político-parlamentar de Wilson Witzel. Extingue-se a secretaria de governo, cujas funções passam para a Casa Civil, comandada a partir de amanhã por Cleiton Rodrigues. Recria-se a secretaria de planejamento, hoje uma sub-pasta da Casa Civil, sob a batuta de Bruno Schetinni. Na essência, Cleiton ficará com comando político da operação e Schettini, com a supervisão técnica.

A lógica das mudanças é simples: o governador, através dos dois, passa a comandar alguns movimentos vitais para o eventual sucesso deste esforço de recomposição política. Sob Cleiton estará o diário oficial – leia-se nomeações – e um rigoroso controle dos cargos de confiança de todas as secretarias. Além, obviamente, de programas como Segurança Presente e Lei Seca.

No Planejamento, Schetinni se ocupará da execução orçamentária, peça-chave para liberação de recursos para obras que possam atender a prefeitos e a deputados. Assim, por exemplo, se um prefeito convencer o governador da necessidade de asfaltamento de ruas em seu município, Shetinni será acionado para viabilizar rapidamente a demanda fazendo remanejamento orçamentário sem maiores delongas. Na avaliação do governador, a intermediação de responsabilidades fazia as demandas políticas se perderem nos desvãos da burocracia.

Enfim, todos os movimentos do governo nos últimos dias são direcionados à recomposição de sua base. Ao se colocar precocemente como candidato a presidente da República, Witzel perdeu a base de Bolsonaro e não conseguiu erguer alicerces próprios que lhe garantissem apoio na sociedade e no parlamento. Vai tentar agora.

'